POEMA: NOTÍCIA

Notícia
A nuvens trouxeram-me notícias
do céu...
As aves disseram-me como iam
as montanhas...
Coisas estranhas
começaram a dar-se então
com minha alma...


(In Um homem tenta ser anjo)



O último "grande mulato".



Lima Barreto, escritor maldito.

Afonso Henrique de Lima Barreto, nascido em 13 de maio de 1881, sexta-feira, no mesmo ano de publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado, e O Mulato, de Aloízio de Azevedo, foi o romancista brasileiro do começo deste século que mais olhou para sí mesmo para escrever.
"Um personagem de fronteira. Alguém que habitou o limiar de realidades e mundos diferentes, e por esta razão, abrigou em si uma cota de contradições e conflitos. Afinal, nascido mulato em uma família de mulatos, recebeu tão rica educação e requintado ensino escolar, que no final de contas, nem bem pôde ser um mulato, nem bem foi um branco."
( in Morais, Régis. Lima Barreto - O Elogio da Subversão, 1983)
Quando nasceu o futuro romancista de Clara dos Anjos, ainda existia a escravidão negra no Brasil. Para ele, mulato pelo lado materno, essa visão de cativeiro deve ter sido de dramática importância, "comprometendo a sua imaginação". Atente-se no que é negro e o mulato quase às vésperas da "Abolição" e se perceberá como será fácil, devido a essa "versão negra" primeira, a entrada do desalento - ao menos no campo racial - no viver de Lima Barreto. No seu Diário Íntimo, ele já adulto, já sofrido e com o orgulho cansado, lê-se esta queixa, qual gemido: " É triste não ser branco."
Sua obra, então, como ele propõe no primeiro capítulo Histórias e Sonhos, irá, "difundir" as grandes e altas emoções em face do mundo e do sofrimento dos homens". No entanto, apesar de ter na voz a dramaticidade e o fogo dos que rebelam, apesar de ter voltado para o povo e a porção mais humilde dele, foi um autor popular. Por que? Citamos, apenas como instigação, a explicação de Olívio Montenegro, no O Romance Brasileiro, de 1953:
"Faltou a Lima Barreto uma imaginação livremente conceptiva que valorizasse a um ponto de criação fatos e cenas e figuras dos seus romances; que depurasse mais idealisticamente o seu espírito de revolta, que em suma, o libertasse daqueles complexos que as injustiças sociais costumam criai nos mais fortes e orgulhosos. E a contínua reação desses complexos o leitor facilmente descobre através de toda a obra sincera de Lima Barreto. Nos personagens que ele se interna com o gosto quase masoquista de uma segunda encarnação. No mais fiel deles, que se chama Isaias Caminha. São complexos que têm a sua história".



Mas Lima sabia o poder de transfiguração que tem o romance como obra de arte. Assim escreve, em Bagatelas:

" Tendo passado por diversos meios os mais desencontrados possíveis, eu me julgo conhecedor bastante das coisas deste mundo para, com os elementos da vida comum, organizar uma outra, dos meus sonhos, com a qual minore, só no criá-la, a mágoa eterna e inapagável que haja talvez em mim e me turve as alegrias ítmimas."

Apesar da vida irregular beirando a tragédia, Lima Barreto escreveu bastante: romances, crônicas, contos, artigos em jornais, autêntico trabalhador de Letras.

Faleceu em 1º de Novembro de 1922, no Rio de Janeiro, de colapso cardíaco, dois dias antes do pai. Com a sua morte desaparece o último " grande mulato" da Literatura brasileira, o último da literatura oficial. Fecha-se o ciclo que - fossem outras as circuntâncias - iniciaria o escritor negro em alto número nos rumos de uma escrita marcando o seu "particularismo racial" e as consequências desse particularismo. Lima Barreto morre em 1922, marco inicial - ao menos oficialmente - do Modernismo o Brasil. No entando, o Modernismo não verá aparecer misturada às vozes de Mario de Andrade, Menotti del Pichia, Oswald de Andrade, Jorge de Lima, e depois, Jorge Amado - entre tantos outros - a voz do negro. Após a morte de Cruz e Souza, em 1898, podemos falar mesmo de um amplo silência de poetas negros até o aparecimento de Lino Guedes em 1926. O negro cala-se nas primeiras décadas da República. Produção Nula.

Poema: Em Maio

Em Maio

Já não há mais razão para chamar as lembranças
e mostrá-las ao povo
em maio.
Em maio sopram ventos desatados
por mãos de mando, turvam o sentido
do que sonhamos.
Em maio uma tal senhora Liberdade se alvoroça
e desce às praças das bocas entreabertas
e começa:
"Outrora, nas senzalas, os senhores..."
Mas a Liberdade que desce à praça
nos meados de maio,
pedindo rumores,
é uma senhora esquálida, seca, desvalida,
e nada sabe de nossa vida.
A Liberdade que sei é uma menina sem jeito,
vem montada no ombro dos moleques
ou se esconde
no peito, em fogo, dos que jamais irão
à praça.
Na praça estão os fracos, os velhos, os decadentes
e seu grito: "Ó bendita Liberdade!"
E ela sorri e se orgulha, de verdade,
do muito que tem feito!

(in O Estranho)

Homenagem aos 50 anos de contribuição com a literatura brasileira

O dia 23 de Abril de 2010 sem dúvidas foi uma data de grande importância para o Sr. Oswaldo de Camargo.
A SMPP, por meio da CONE, homenageou o escritor no salão nobre da Câmara Municipal de São Paulo pelos seus 50 anos de literatura reafirmando "a importância de sua reflexão, vivência poética e criação de literatura brasileira."
Em meio a autoridades, familiares, amigos, estudiosos e parceiros de sua jornada intelectual, teve alguns de seus poemas recitados pelo escritor Cuti e o poeta Carlos de Assumpção.



Com emoção e acima de tudo gratidão, o Sr. Oswaldo de Camargo recebeu uma placa comemorativa e a publicação de 5000 livretos contendo fragmentos de sua obra poética em função de sua data.

Por Raquel Coelho
DEDICATÓRIAS

"À CONE - Coordenadoria Especial do Negro,
que idealizou e fez realizar, na Câmara Municipal de São Paulo, o evento comememorativo dos 50 anos de minha estréia literária, que se deu, aos 23 anos, onde publiquei o livro de poemas Um homem tenta ser anjo.
A todos os meus companheiros que escrevem, em especial ao Cuti ( Luiz Silva), Geny Guimarães, Joel Rufino, José Carlos Limeira, José Carlos Capinam, Ele Semog, Edimilson de Almeida, Márcio Barbosa; à memória destes que ja escreveram e se foram - Paulo Colina, Adão Ventura, Arnaldo Xavier; aos que continuarão escrevendo, alicerçados na esperança, e teimando".

Oswaldo de Camargo

A fortuna de Cruz e Souza


João de Cruz e Souza é considerado, hoje - para a maioria dos escritores negros nas sendas de expressar com Literatura o seu particularismo racial - , o grande precursor. Em Luíz Gama, satírico feroz, o abolicionista sobrepuja, muitas vezes, o poeta. Bodarrada, por exemplo, é um látego zurzido contra a sociedade (o satírico revira, comunente, o visível , o risível, aquilo que, por evidente demais, presta-se a ser coberto de ridículo). Trabalha, por razões várias, com exterioridades. José do Patrocínio, é o grande tributo abolicionista , autor também de um romance que poucos conhecem, Mota Coqueiro.

Cruz e Souza, porém, é o eu negro, desentranhado no século XIX, com o Emparedado e quase toda a sua obra, e é no caminho dele que segue grande número de escritores negros à busca da sua melhor expressão.


Cruz e Souza nasceu em 24 de novembro de 1861, dia da festa de grande místico espanhol de que ele tem o nome. Pais, desimportates socialmente: o mestre-pedreiro Guilherme de Souza e sua mulher, Carolina. Já aos oito anos tem propensões literárias; faz versos. Espantava já, por saber rimar. E é na antiga Desterro (atual Florianópolis) que começa a sua formação. De Fritz Müller, sábio alemão que fazia estudos da fauna e flora do Brasil, respeitado na Europa, o negrinho Cruz e Souza mereceu esta frase: " Esse preto representa para mim mais um reforço na minha velha opinião contrária ao ponto de vista dominante que vê o negro como um ramo por toda a parte (talvez sobre todos os aspectos) inferior e incapaz de desenvolvimento racional por suas próprias forças." 1881 é o início de sua amizade com Virgílio Várzea, e como ele redigiu até 1889 a Tribuna Popular. Empenhou-se - está provado - na campanha abolicionista. Virgílio Várzea testemunha que "Cruz e Souza tinha grande paixão pelas idéias humanitárias e serviu-se sempre, como fanático, sem se poupar sacrifícios, na tribuna , na praça publica e principalmente no jornalismo".

( In de Camargo, Oswaldo, O Negro Escrito - Apontamentos sobre a presença do negro na Literatura Brasileira)

"...Um negro retinto e ogulhoso, que teve de enfrentar todos os preconceitos herdados da escravidão e arrancar com a sua Literatura o respeito dos que o conheceram. Um poeta polêmico e que não transigia, com os princípios da beleza que ele escolhe para a sua expressão. Dizem que, sendo negro, não deu importância à sorte de seus irmãos escravos. Mentira! Provam o contrário suas conferências abolicionistas realizadas na Bahia, suas colaborações nos jornais e poemas como Escravocratas, Na Senzala, Grito de Guerra, e Dor Negra e Consciência Tranquila, em prosa (...) Hoje que o escritor negro esta assumindo lenta e firmemente a expressão de suas vivências com o poema, conto e novela, Cruz e Souza não pode ficar apenas nas antologias e edições que bem poucos lêem. Cabe-nos tornar conhecida , sobretudo em nossa coletividade, sua vida e obra, colocá-lo entre nós como um homem igual anós que foi ".


(Grupo Quilombhoje: Abelardo Rodrigus, Cuti, Oswaldo de Camargo, Paulo Colina)



Entrevista de Oswaldo de Camargo a Paulino Santana.


Esta entrevista foi dada ao estudioso de questões negras Paulino Santana (Alaru), no Museu Afro Brasil, (São Paulo - SP), no ano de 2007.


video

A Glória de Carolina Maria de Jesus


Nos meados dos anos 50, alguns anos antes da publicação de Quarto de Despejo, o poema, talvez, mais declamado nas tertúlias que as associações culturais negras realizavam, em São Paulo, lembrando seus grandes homens e datas especiais era “Tem gente com fome” do poeta pernambucano Solano Trindade, que vale citação um tanto prolongada:


Trem sujo da Leopoldina
Correndo correndo
Parece dizer
Tem gente com fome
Tem gente com fome
Tem gente com fome
Piiiiiiiiiii

(................................)


Só nas estações
Quando vai parando
Lentamente começa a dizer
Se tem gente com fome
Dá de comer
Se tem gente com fome
Dá de comer
Mas o freio de ar
Todo autoritário
Manda o trem calar
Psiuuuuu

(Trecho do poema, publicado em Cantares ao Meu Povo (Poesias), Editora Fulgor, pg. 65)

É a fome não silenciada, o não-ter, o não-ser nada, além de miserável, o ser preta e mulher, além de outros vazios sociais que a vergam e desesperam que a escritora põe no livro que marcou sua trajetória “incomum e perturbadora”, como observam José Carlos Sebe Bom Meihy e Robert M. Levine na biografia Cinderela Negra - A Saga de Carolina Maria de Jesus (Editora URFJ, 1994):


22 de junho... Saí triste porque não tinha nada em casa pra comer. Olhei o céu. Graças a Deus não vai chover. Hoje é segunda feira. Tem muitos papeis nas ruas. No ponto do bonde, eu me separei de Vera.


Ela disse:- Faz comida, que eu vou chegar com fome. A frase comida ficou ecolodindo dentro do meu cérebro.


Parece que o meu pensamento repetia: Comida! Comida! Comida!




Quarto de Despejo tem, ainda, algo a ver com o poema Litania dos Pobres, de João da Cruz e Souza, poeta negro catarinense, nascido em Desterro (atual Florianópolis), em 1861.


Dele:

Os miseráveis, os rotos
São as flores dos esgotos.

São espectros implacáveis
Os rotos, os miseráveis.

São prantos negros de furnas
Caladas, mudas, soturnas.

São os grandes visionários
Dos abismos tumultuários.

Mãos inquietas, estendidas

Ao vão deserto das
vidas.

(fragmentos tirados do livro Faróis)


Com a diferença que, quando Carolina surge com o Quarto de Despejo, morando ainda na favela do Canindé, o número de “miseráveis e rotos” havia crescido assoberbadamente.

Neste número, a maioria negros, pardos, mulatos, por efeito da miséria e da marginalização não estancadas com a Abolição nem com a República que, se se atentasse a respeito da própria etimologia do termo, deveria ser “coisa pública”, isto é, para todos: negros, brancos, índios. Mas não foi.

A trajetória de Carolina - lemos no livro de Bom Meihy e M. Levine - implica a visão de um lado pouco mostrado da cultura brasileira: a luta quotidiana de uma mulher “de cor”, pobre e desprovida de favores do Estado, de organismos sociais, de instituições e até de amigos. Logicamente isto não remete apenas a ela enquanto indivíduo, mas também a todo o sistema que abriga os despossuídos legados ao anonimato. O que a distinguiu dos demais foi o fato de ser um tipo capaz de desafiar a pobreza e seus promotores através de incomum capacidade de luta e perseverança e de uma agressiva personalidade (...) Carolina foi, pode-se dizer, uma guerreira valente contra as tropas da herança racista, antiinteriorana, preconceituosa em relação às mulheres e, sobretudo, uma pessoa afrontadora da marginalidade e da negligência política. Rebelava-se sozinha e por isso jamais chegou a ser revolucionária ou heroína permanente”. (Página 23 do livro citado).

Nascida em Sacramento, cidadezinha rural de Minas Gerais, em 1914, Carolina jamais, pela origem, poderia sonhar com ser conhecida, ter o mínimo destaque na vida ou na sociedade brasileira. Descendia de escravos, fato que na história nacional selou com miserabilidade, e continua selando, o destino de muitos brasileiros. A escola, que cursou até o segundo ano primário, não lhe interessou muito. Nada que a fizesse sobressair. Fica a declaração, lembrada por seus biógrafos, de que sua grande inspiração não havia sido a escola, e sim seu avô, a quem chamava entusiasticamente de “Sócrates africano”.

É com 33 anos, em 1947, que Carolina chega a São Paulo. Dormiu debaixo de pontes, em estradas, passou muitas noites ao desabrigo. Foi doméstica, faxineira, auxiliar de enfermagem em um hospital, na tentativa de sobrevivência que a colocava entre os inúmeros “miseráveis e rotos” postos nos versos de Cruz e Souza.

Por esse tempo, o número de favelados em São Paulo seria perto de 50 mil. Carolina passa a ser um deles. E nesta condição, sempre acompanhada da fome (“o meu dilema é sempre a comida”), dialoga com a cidade:

“Oh São Paulo rainha que ostenta vaidosa a tua coroa de ouro que são os arranha-céus. Que veste viludo e seda e calça meias de algodão que é a favela... o dinheiro não deu para comprar carne, eu fiz macarrão com cenoura. Não tinha gordura, ficou horrível. A Vera é a única que reclama e pede mais. E pede:

- Mamãe, vende eu pra dona Julita, porque lá tem comida gostosa.”

Os primeiros trechos do Quarto de Despejo foram escritos em 15 de julho de 1955, portanto há 50 anos. Grave-se: 15 de julho de 1955 aniversário de minha filha Vera Eunice. Eu pretendia comprar um par de sapatos para ela. Mas o custo dos gêneros alimentícios nos impede a realização dos nossos desejos. Atualmente somos escravos do custo de vida. Eu achei um par de sapatos no lixo, lavei e remendei para ela calçar.
Eu não tinha um tostão para comprar pão. Então eu lavei 3 litros e troquei com o Arnaldo. Ele ficou com os litros e deu-me pão. Fui receber o dinheiro do papel. (...)

O livro que deu fama à Carolina é, na maioria de suas páginas, o relato da luta corpo a corpo com a fome, para, no mínimo, sobreviver, manter os filhos. Com a fama, teve ela, por algum tempo, importância de gente bem posta, digna de ser entrevistada na televisão, falar para os jornais , opinar sobre política, literatura, favela, o Brasil... e, também a seu modo, mostrou a crença da escritora no poder da palavra escrita.

Isso se depreende de trecho de reportagem publicada no jornal “O Estado de São Paulo”, em 14 de fevereiro de 1977, noticiando a morte de Carolina:

“Um dia houve uma inauguração de um parque infantil, próximo da favela. Todo mundo foi... conta Carolina. A certa altura, os adultos começaram a expulsar as crianças e a tomar conta das gangorras e balanços. Carolina disse para uma companheira, que morava ao lado: “Este é o tipo de animal com quem eu tenho que viver. Eu os porei no meu diário, assim jamais serão esquecidos”.

A frase foi ouvida por Audálio Dantas, na época um jovem repórter do Diário de São Paulo, alagoano, filho de nordestinos que haviam chegado a São Paulo nos anos 30. Audálio, curioso, perguntou sobre o tal diário. Compilou-o, depois, em 180 páginas e conseguiu um editor”.

Quarto de Despejo é, pois, um diário que sai da vocação literária de Carolina e, com extrema veracidade, da miserabilidade da escritora, um libelo contra a fome e tudo que daí origina.

Surpreendentemente virou um fenômeno ligado ao mercado do livro, tendo vendido dez mil exemplares nos três primeiros dias do lançamento; passados seis meses, 90 mil, chegando a alcançar, no espaço de um ano, a vendagem de Jorge Amado, o escritor brasileiro mais lido.

Mas é sintomático o desabafo da escritora, após sua mudança para a casa de alvenaria na Rua Benta Pereira, no bairro paulistano de Santana:


“Triste glória que não me deixa ter vontade própria. Quero ser eu. Fizeram-me desviar de tudo que pretendia quando morava na favela e ansiava de deixar o barraco. O que sou agora? Um boneco explorado e me recuso a isso."

(Depoimento a Ignácio Loyola, em 1961)

O diário de Carolina é um trecho insólito e “socialmente irritante” entre tudo o que se escreveu no Brasil defrontando as mazela de nossa sociedade. Livro e atitude de recusa. Recusa em não aceitar, para ela, o script apresentado pela cultura letrada branca. A seu modo, rebeldia e, após, o preço a pagar pela rebeldia.

Carolina Maria de Jesus Morreu na madrugada do dia 13 de fevereiro de 1977, pobre e esquecida. Morava, nesse tempo, em Parelheiros, arredores de São Paulo, após residir na sua sonhada “casa de alvenaria” (título de um outro livro que publicou, relativo insucesso de vendagem: 3.000, diante dos 90 mil que ela havia conseguido com Quarto de Despejo).

Passados 45 anos da publicação do diário que a ergueu à fama, este continua sendo uma das mais instigantes indagações sobre a sociedade brasileira. Sobretudo tendo-se em conta os binômios cruciais que agitam constantemente o Museu Afro Brasil: “negro e miséria”, “negro e auto-estima”, que a República de 1889 não conseguiu ainda resolver. Fotografias e texto originalmente publicado no Jornal das Exposições nº 1 de maio de 2005.

Por Oswaldo de Camargo, jornalista e escritor.

Publicação do Museu Afro Brasileiro de São Paulo - Capital.